M87 - Uma Galáxia Gigante Incomum


Evento Cósmico em M87

     
Um dos mais incríveis fenômenos da natureza é trasmitido como um holofote
cósmico a partir do centro da galáxia M87, de onde um potente buraco negro 
lançou um enorme jato, com elétrons e outras partículas  subatômicas, que 
viajam próxima velocidadeà da luz. 

Nesta imagem do Hubble, o jato azul contrasta com o
brilho amarelo da luz
combinada de bilhões de estrelas e de aglomerados globulares que
compõem esta galáxia.


A M87 também é conhecida como NGC 4486, parece ser uma galáxia elíptica
gigante comum, apenas mais uma das muitas galáxias elípticas no 
aglomerado galático de Virgem (Virgo A). 

No entanto, já em 1918, o astrônomo HD Curtis notou
um "curioso raio em
linha reta" saindo da M87. Na década de 1950 uma das fontes mais
brilhantes de rádio foi descoberta em Virgo A, e foi associado com a M87 e
seu jato.

Depois de décadas de estudo tornou-se clara qual
era a fonte dessa incrível 
quantidade de energia que impulsiona o jato. 

No centro de M87 há um buraco negro supermassivo
que tem engolido uma
massa equivalente a 2 bilhões de vezes a massa do nosso sol. 

O jato origina-se do disco de gás superaquecido que
gira em torno do buraco
negro e é propulsionado e concentrado pelo intenso campo magnético 
torcido e preso dentro desse plasma. 

A luz que vemos (e as emissões de rádio) é produzida
por elétrons de torção
ao longo das linhas do campo magnético do jato, um processo conhecido 
como radiação síncrotron, que dá ao jato um tom azulado.

A M87 é uma das galáxias mais próximas e o seu
jato extragalático é o mais
bem estudado, mas existem muitos outros . 

Onde quer que exista um buraco negro se 
alimentando com uma dieta muito 
rica de estrelas interrompidas, gás e poeira, as condições são favoráveis
​​para a formação de um jato. 

Curiosamente, um fenômeno semelhante ocorre em 
torno de estrelas jovens,
embora em escalas muito menores de energia.

A uma distância de 50 milhões de anos-luz, M87 está
muito distante do
Hubble para discernir estrelas individuais. 

As dezenas de estrelas, como pontos sobre M87, s
ão na verdade
aglomerados de centenas de milhares de estrelas cada. 

Estima-se que 15 mil aglomerados globulares se 
formaram muito cedo na
história desta galáxia e são mais velhos do que a segunda geração de
estrelas, que estão amontoadas próximo ao centro da galáxia.


Fonte: Hubble Site/News Center

Crédito de imagem: NASA and The Hubble Heritage Team (STScI/AURA)
http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2000/20/image/a/
http://www.cfa.harvard.edu/news/2014-09


 

 


Postagens mais visitadas