GK Persei - Transformação, Brilho e Beleza


Astrônomos usaram o Observatório de Raios-X Chandra, da NASA, para estudar a explosão em GK Persei procurando pistas para compreender a dinâmica de erupções estelares muito maiores que ocorrem no espaço.  
Em 1901 o objeto GK Persei foi uma sensação no mundo astronômico porque apareceu de repente com brilho intenso e, por alguns dias,     tornou-se uma das estrelas mais brilhantes no céu até que o seu brilho gradualmente desapareceu. 

Hoje, os astrônomos citam GK Persei como um exemplo de uma "clássica nova", uma erupção produzida por uma explosão termonuclear na superfície de uma estrela anã branca, o remanescente denso de uma estrela semelhante ao Sol.

Novas clássicas podem ser consideradas como versões "em miniatura" de explosões de supernovas. 

Uma supernovas marca a destruição de toda uma estrela e pode ser tão brilhante que ofusca toda a galáxia onde ela está. 

As supernovas são extremamente importantes para a ecologia cósmica, elas injetam enormes quantidades de energia no gás interestelar, e são responsáveis ​​por lançar elementos como ferro, cálcio e oxigênio para o espaço onde eles podem ser incorporados em futuras gerações de estrelas e planetas.

Embora os restos das supernovas são muito mais maciços e energéticos do que os das novas clássicas, ambos envolvem uma explosão e criação de uma onda de choque que viaja a velocidades supersônicas através do gás circundante. 

Chandra observou pela primeira vez GK Persei em fevereiro de 2000 e novamente em novembro de 2013. O intervalo de treze anos entre as observações do Chandra forneceu aos astrônomos tempo suficiente para notar diferenças importantes na emissão de raios-X e suas propriedades.

Esta nova imagem do GK Persei contém raios-X de Chandra (azul), os dados ópticos do telescópio espacial Hubble, da NASA (amarelo), e dados de rádio de Very Large Array (rosa) da Fundação Nacional de Ciência. 

Os dados de raios-X mostram gás quente e o rádio mostra a emissão de elétrons que foram aceleradas a altas energias pela nova onda de choque. 

Os dados ópticos revelam pedaços de produto que foram ejectadas na explosão. 

A natureza da fonte de ponto rosa no canto inferior esquerdo é desconhecida.

Os dados do Chandra revelam que ao longo dos anos os detritos da nova expandiram a uma velocidade de cerca de 700.000 milhas por hora. Isto traduz-se em ondas de choque que se deslocam por 90.000.000.000 milhas durante esse período.

Fonte: NASA
Crédito de imagem: NASA/CXC/RIKEN/D.Takei et al

Mais informações no link abaixo:
http://www.nasa.gov/mission_pages/chandra/mini-supernova-explosion-could-have-big-impact.html#.VQeVDo7F-84

 
                                                                                               





Postagens mais visitadas