Pilares da Criação - Novas Imagens Astronômicas


Para comemorar 25 anos (1990-2015) de exploração do Universo  as câmeras do Telescópio Espacial Hubble, na órbita baixa da Terra, foram usadas para rever a sua imagem mais emblemática. 

O resultado é esta visão mais nítida e mais ampla da região conhecida como Pilares da Criação, estrelas estão se formando no fundo destas estruturas imponentes, que foram fotografadas pela primeira vez em 1995 pelo Hubble. 

As longas colunas de gás frio e poeira estão no M16, a Nebulosa da Águia, na direção da constelação Serpens a cerca de 6.500 anos-luz de distancia

Esculpida e corroída pela enérgica luz ultravioleta e por poderosos ventos do aglomerado de estrelas jovens e massivas do M16, os próprios pilares cósmicos estão destinados à destruição. 

Os detalhes espetaculares que foram capturados neste instantâneo feito pelo Hubble em luz visível, mostra um ambiente turbulento de formação de estrelas dentro de M16, provavelmente semelhante ao ambiente no qual se formou nosso próprio Sol. 

Fonte: Hubble Site/News Center
Crédito de imagem: NASA, ESA, e equipe da herança de Hubble    (STScI/AURA)




Esta imagem do telescópio espacial Hubble da NASA tirada em luz infravermelha transforma os pilares em misteriosas silhuetas delgadas que são vistos contra um fundo de miríades de estrelas.



A luz infravermelha pode penetrar na maior parte do gás e poeira, revelando estrelas por trás da nebulosa, bem como as escondidas dentro dos pilares. 

Algumas das nuvens de gás e poeira são tão densas que até mesmo a luz infravermelha não pode penetrá-las. 

Novas estrelas embutidas nos topos dos pilares, no entanto, são fontes aparentes tão brilhantes que não são vistas na imagem visível.

A neblina fantasmagórica azulada em torno das bordas densas dos pilares é material aquecido pela radiação ultravioleta intensa a partir de um aglomerado de estrelas jovens e massivas e evaporado longe no espaço. O agrupamento estelar está acima dos pilares e não pode ser visto na imagem. 

Na extremidade superior do pilar do lado esquerdo, um fragmento gasoso foi aquecido e está a voar para longe da estrutura, o que confirma a natureza violenta das regiões de formação de estrelas.

Os astrônomos usaram os filtros que isolam a luz das estrelas recém-formadas, que são invisíveis na imagem de luz visível. 

Nestes comprimentos de onda, os astrônomos podem ver através dos pilares e até mesmo através da parede posterior da cavidade nebulosa e podem ver as próximas gerações de estrelas, e como elas estão começando a emergir do seu local de formação.

Fonte: Hubble Site/News Center
Crédito: NASA , ESA , e a herança de Hubble Team (STScI/AURA)

http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2015/01/image/g/



Telescópio Espacial Hubble da NASA fez uma nova fotografia maior e mais nítida dos "Pilares da Criação" da Nebulosa da Águia mostrada à direita da imagem. imagem das torres gasosas feita em 1995, pela Hubble Planetary Camera, é mostrada à esquerda.

A nova imagem foi tirada com a versátil e de visão aguçada Wide Field Camera 3 do Hubble. Os astrônomos combinaram várias exposições do Hubble para montar o ponto de vista mais amplo. 

 O característico dedo escuro, como na parte inferior direita pode ser uma versão menor dos pilares gigantes. 

Os pilares são banhados por luz ultravioleta a partir de um aglomerado de formação de pequenas estrelas maciças situadas fora da parte superior da imagem. 

Flâmulas de gás podem ser vistos jorrando para fora das colunas, a radiação intensa aquece o gás que é evaporado para o espaço. 

Regiões mais densas dos pilares estão sombreando o material abaixo deles. Estrelas que são feitas de gás de hidrogênio frio atado com poeira, estão nascendo lá no fundo dos pilares.  

A Nebulosa da Águia é uma vasta região de formação de estrelas e os imponentes pilares, que tem cerca de 5 anos-luz de altura, são uma pequena parte desta região.

As cores na imagem destacam emissão de vários elementos químicos. Emissão de oxigênio é azul, o enxofre é laranja, e hidrogênio e nitrogênio são verdes.

Fonte: Hubble Site/News Center
Crédito: NASA, ESA, e a herança de Hubble Team (STScI/AURA)


http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2015/01/image/a/






Postagens mais visitadas