Região de Formação Estelar da Nebulosa da Rosetta



A Nebulosa da Rosetta é uma nuvem cósmica de gás e poeira,  as pétalas desta rosa são realmente um berçário estelar cuja forma simétrica é esculpida pelos ventos e radiação a partir do seu aglomerado de estrelas central.

O energético aglomerado de estrelas está catalogado como NGC 2244, tem apenas alguns milhões de anos, enquanto a cavidade central na nebulosa Rosetta, é catalogada como NGC 2237, e tem cerca de 50 anos-luz de diâmetro. 

A nebulosa está localizada na borda da grande nuvem molecular em Monoceros, a cerca de 5.000 anos-luz de distância da Terra, na direção da constelação do do Unicórnio (Monoceros).

Fonte: Astronomy Picture of the Day
Crédito de imagem: Brian Davis

http://apod.nasa.gov/apod/ap120214.html







Campo da Rosetta

A famosa nebulosa da Rosetta, na extrema direita, foi capturado nesta imagem de campo largo profundo que possui vários outros destaques no céu. 

Designada NGC 2237, a Nebulosa Roseta tem em seu centro estrelas azuis brilhantes do aglomerado aberto NGC 2244, cujos ventos e luz energética estão esvaziando o centro da nebulosa. 

A coluna de poeira e gás que parece como caule de uma rosa se estende por centenas de anos-luz.


À direita da S Monoceros está a pontuda e escura nebulosa do Cone, com cerca de 7 anos-luz de comprimento.

À esquerda do S Mononoceros está  a nebulosa Fox Fur. 


A região de Rosetta, está a cerca de 5.000 anos-luz de distancia, na constelação do Unicórnio (Monoceros)

Fonte: Astronomy Picture of the Day
Créditos de imagem: Rogelio Bernal Andreo
(Deep Sky Colors)

http://apod.nasa.gov/apod/ap100214.html















Formas estranhas e texturas podem ser encontradas na vizinhança da Nebulosa do Cone. Estes padrões resultam da agitação tumultuosa existente no aglomerado aberto de formação de estrelas conhecido como NGC 2264, aglomerado floco de neve. 

Para entender melhor esse processo, uma imagem detalhada da região foi feita em duas cores de luz infravermelha pela órbita do telescópio espacial Spitzer. 

As estrelas brilhantes do floco de neve são pontos do aglomerado. Estas estrelas em breve aquecerão e destruirão os gases e montanhas de pó em que se formaram. 

Uma dessas montanhas de pó é a famosa Nebulosa Cone, visível na imagem acima, à direita nesta imagem, apontando para uma estrela brilhante perto do centro do campo.

Fonte: Astronomy Picture of the Day 
Crédito: NASA , JPL-Caltech , PS Teixeira (CfA)

http://apod.nasa.gov/apod/ap070509.html



Postagens mais visitadas