Belas Joias Do Espaço



                                        
Brilhando como uma joia multifacetada a Nebulosa Spirograph" ou IC 418 fica a cerca de 2.000 anos-luz da Terra.

Ela é nebulosa planetária representando o estágio final da evolução de uma estrela semelhante ao nosso sol. 

A estrela no centro do IC 418 era uma gigante vermelha alguns milhares de anos atrás, mas, em seguida, expulsou suas camadas exteriores para o espaço formando a nebulosa, que agora se expandiu para um diâmetro de cerca de 0,1 ano-luz. 

O remanescente estelar no centro é o núcleo quente da gigante vermelha, a partir da qual a radiação ultravioleta inunda o gás circundante, fazendo com que ele brilhe. 

Ao longo dos próximos vários milhares de anos, a nebulosa irá se dispersar aos poucos para o espaço, e depois a estrela vai esfriar e desaparecer por bilhões de anos como uma anã branca. 

Nosso próprio Sol deverá se submeter a um destino semelhante, mas, felizmente, isso não ocorrerá até cerca de 5 bilhões de anos.

A imagem do Hubble de IC 418 é mostrada em uma representação de cores falsas, com base no amplo campo da Planetary Camera 2, exposições tomadas em fevereiro e setembro de 1999 através de filtros que isolam a luz a partir de vários elementos químicos.

O vermelho mostra a emissão do nitrogênio ionizado (o gás da nebulosa, que está mais distante do núcleo quente), o verde mostra     a emissão do hidrogênio, e os traços azuis a emissão de oxigênio ionizado (o gás mais quente, mais próximo à estrela central). 

As texturas marcantes vistas na nebulosa são recém-reveladas pelo telescópio Hubble, e sua origem ainda é incerta."*

Fonte: Hubbel Site/News Center
Crédito: NASA e The Hubble Heritage Team ( STScI / AURA )



*Até a data da publicação deste artigo no News Center da NASA (7 de setembro de 2000).





M2-9 - com asas de borboleta


"As estrelas são melhor apreciadas pela sua arte depois que eles morrem? 

Na verdade, as estrelas costumam criar suas telas mais artísticas no modo como elas morrem. 

No caso de estrelas de baixa massa como o nosso Sol e M2-9 na foto acima, as estrelas se transformam a partir de estrelas normais em anãs brancas, lançando os seus envelopes gasosos exteriores.

O gás gasto com freqüência constitui uma impressionante exibição chamada de nebulosa planetária que se desvanece gradualmente ao longo de milhares de anos. 

A nebulosa planetária M2-9, mostrada em cores representativas, está a 2100 anos-luz de distância da Terra. 

No centro, as duas estrelas orbitam dentro de um disco gasoso 10 vezes a órbita de Plutão. 

O envelope expulso da estrela moribunda irrompe a partir do disco e cria a aparência bipolar. 

Muito permanece desconhecido sobre os processos físicos que provocam nebulosas planetárias."


Fonte do texto: Astronomy Picture of the Day
Crédito de imagem: Hubble Legado Arquivo , NASA , ESA - Processamento: Judy Schmidt

http://apod.nasa.gov/apod/ap130915.htmla

Para mais informações muito interessantes visite:
http://www.astro.washington.edu/users/balick/
WFPC2/index.html




Postagens mais visitadas