Mostros Galáticos


Na Constelação de Hydra, distante cerca de 160 milhões de anos-luz, a galáxia espiral NGC 3393 contém o mais próximo par de buracos negros supermassivos conhecido e estão separados por apenas 490 anos-luz.

Estes dois buracos negros podem ser o resultado de uma fusão de duas galáxias de tamanhos diferentes, ocorrida há cerca de um bilhão ou mais de anos.

Apelidado de "fusões menores" pelos cientistas, tais colisões entre uma galáxia maior com outra galáxia menor pode ser a forma mais comum de pares de buracos negros se formar. 

Se esta era uma fusão menor, o buraco negro na galáxia menor deveria ter uma massa menor do que o outro buraco negro antes de suas galáxias hospedeiras começarem a colidir. 

As observações mostram que estes buracos negros são mais maciços do que cerca de um milhão de sóis. 

Fonte: Chandra X-Ray Observatory Center

Crédito X-ray: NASA/CXC/SAO/G.Fabbiano et al; Optical: NASA/STScI

http://chandra.harvard.edu/photo/2011/n3393/



                 
O Chandra Observatório de Raios-X apresentou elementos que provam que a nossa Via Láctea está incorporada num enorme halo de gás quente que se estende por centenas de milhares de anos-luz. 

A massa do halo é estimada para ser comparável com a massa de todas as estrelas da galáxia Via Láctea.

A ilustração do artista mostra um enorme halo de gás quente em torno da Via Láctea (em azul)

Também mostra, no canto inferior esquerdo da Via Láctea, a Pequena e a Grande Nuvens de Magalhães, duas pequenas galáxias vizinhas. 

A auréola de gás é mostrada com um raio de cerca 300.000 anos-luz, embora possa se estender por uma distância significativamente maior. 


Fonte: Chandra Observatório de Raio-X
Ilustração: NASA/CXC/M.Weiss; NASA/CXC/Ohio State/AGupta etal

Postagens mais visitadas